With Borders

No Borders

20/09/2012

AEB PEDE QUE DILMA COMPENSE PREVIDÊNCIA

"Certamente chegará o momento em que a Previdência precisará de uma compensação pela desoneração da folha de pagamento." O alerto foi feito pelo vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. Ainda que favorável à medida, ele mostra preocupação com os efeitos da renúncia fiscal na sustentabilidade da previdência.
O governo calcula que a redução de tributos de todos os beneficiados será de R$ 12,8 bilhões em 2013, o equivalente a 0,26% do Produto Interno Bruto (PIB) - R$ 4,9 trilhões - estimado para o próximo ano. Na área de transporte, por exemplo, a desoneração chega a R$ 2,1 bilhões - a arrecadação cai de R$3,3 bilhões para R$ 1,2 bilhão com a nova política.
Castro gostaria, porém, que todos os setores fossem beneficiados com a eliminação da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha de pagamento dos empregados. Em troca da desoneração, os beneficiados vão pagar uma alíquota de 1% a 2% sobre o faturamento.
Ele critica encargos trabalhistas, como o Sistema "S", que, segundo o vice da AEB, não beneficiam o trabalhador. O Sistema "S" articula as principais instituições representativas dos setores produtivos que geram ocupação e renda: indústria, comércio, agricultura, cooperativas, transporte.
Já a Confederação Nacional de Transporte (CNT) comemorou a inclusão dos setores rodoviário de passageiros, marítimo e aéreo na lista dos beneficiados pela política de desoneração da folha.

Fonte: Monitor Mercantil