With Borders

No Borders

20/09/2012

NOVA REGRA DA RECEITA TERÁ MAIOR IMPACTO NAS IMPORTAÇÕES

O mercado de comércio exterior sofrerá uma importante mudança a partir do dia 01/10. A Receita Federal anunciou mudanças para o sistema Radar – Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros. Todas as empresas que desejam trabalhar com operações de Comércio Exterior devem se habilitar na Receita Federal do Brasil. 
Entre as principais mudanças no sistema estão a criação de habilitação expressa para empresas que vão atuar na Copa do Mundo; criação de habilitação expressa, para empresas exportadoras e sem restrição de valores para exportação ( antes os valores eram limitados a USD 300.000,00 por semestre). Nos prazos, também haverá alterações: habilitações expressas podem ser aprovadas em dois dias, limitadas ou ilimitadas, em até 10 dias. A habilitação ordinária agora se chama Ilimitada, e a simplificada passou a ser chamada limitada, ou expressa para alguns casos.
Para Alfredo Novais, sócio da ABN8, empresa especializada em operações de comércio exterior, as medidas trarão impacto imediato na economia brasileira, sobretudo nas importações: \"as novas regras farão as empresas exportarem mais. É uma forma de fortalecer a economia brasileira e conter a entrada de produtos estrangeiros. A banalça comercial tende a ficar favorável para o país\", analisa.
De acordo com o consultor, é fundamental que as empresas organizem sua documentação para conseguirem exportar importar: \"será mais difícil obter a habilitação limitada, pois as empresas terão que provar agora capacidade operacional e financeira para realizar as operações. Deverão, inclusive, apresentar comprovação do capital integralizado\", comenta. 
\"O grande problema é que este é um dos maiores motivos de indeferimento de habilitações ordinárias, pois muitas empresas realizam estas integralizações em datas diversas, e muitas vezes a Receita Federal não aceita este argumento”, finaliza Novais.


Cerca de US$ 16 milhões foram gastos, neste ano, por empresas e indústrias luverdenses na aquisição de produtos internacionais. Alta de 166,46% em relação ao mesmo período do ano passado. Insumos industriais são as principais compras.

Fonte: Revista Incorporativa