With Borders

No Borders

24/09/2012

MDIC PREPARA LANÇAMENTO DO OBSERVATÓRIO BRASILEIRO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

Brasília (18 de setembro) - Está em fase final de implantação o Observatório Brasileiro de Arranjos Produtivos Locais (APLs), que deve ser lançado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) em novembro. No momento, o projeto está sendo testado nos estados de Alagoas, Goiás e Paraná, onde representantes dos APLs passam por treinamento para operar o sistema.
Na segunda fase do projeto, representantes de mais oito estados serão treinados. Por fim, os dezesseis estados restantes serão orientados a cadastrar os dados de seus arranjos produtivos e das instituições de apoio a APLs.


Rede social


O Observatório Brasileiro de APLs é um projeto que prevê o armazenamento de dados de todos os APLs do país no mesmo banco de dados. Uma rede social para integrar os participantes e um portal com dados, indicadores e notícias aberto ao público na internet também estão previstos.
A ferramenta possibilitará que os grupos locais e regionais compartilhem informações de interesse em seus respectivos setores de atuação, tenham acesso facilitado a dados relativos à produção econômica e um espaço único para a divulgação de suas atividades.
Outra ação pensada para incentivar o desenvolvimento de APLs é a elaboração de um Plano Nacional de Capacitação para Gestores de APLs. A medida será realizada por meio de uma parceria entre o MDIC e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).


GTP-APL


A iniciativa de desenvolver o Observatório Brasileiro de APLs partiu do Grupo de Trabalho Permanente para APLs (GTP-APL), coordenado pelo MDIC e integrado por 33 instituições públicas e privadas. Os Arranjos Produtivos Locais são coordenados, em nível nacional pelo MDIC, mas os estados e regiões participantes possuem estrutura própria e autonomia de gestão.
Os APLs são aglomerações de empreendimentos de uma mesma atividade produtiva localizados em determinada região geográfica. As empresas que formam esses agrupamentos geralmente apresentam vínculos de articulação, cooperação e aprendizagem entre si. 
A interação também é realizada com organizações locais, como governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa etc., com o objetivo de buscar o desenvolvimento do setor naquela região.

Fonte: MDIC