With Borders

No Borders

28/09/2012

AÇÚCAR É O PRODUTO MAIS VENDIDO POR COOPERATIVAS EM 2012

Brasília – As exportações das cooperativas brasileiras somaram US$ 3,685 bilhões, de janeiro a agosto de 2012, e houve redução de 5,4% sobre igual período de 2011 (US$ 3,893 bilhões). No período, as importações tiveram expansão de 9,6% que passaram de US$ US$ 173,3 milhões, em janeiro a agosto de 2011, para US$ 156,7 milhões, neste ano. 
Com esses resultados, a balança comercial registrou saldo positivo de US$ 3,528 bilhões, valor abaixo em 5,2% do observado no mesmo período de 2011, quando atingiu US$ 3,720 bilhões. A corrente de comércio (soma das exportações e importações) foi de US$ 3,841 bilhões, com queda de 5,5% em relação aos oito primeiros meses de 2011 (US$ 4,067 bilhões).


Mercados e Produtos


As cooperativas brasileiras exportaram para 131 países de janeiro a agosto deste ano. No período, os principais mercados foram: China (vendas de US$ 585,9 milhões, representando 15,9% do total); Estados Unidos (US$ 446,9 milhões, 12,1%); Alemanha (US$ 214,3 milhões, 5,8%); Emirados Árabes Unidos (US$ 206,1 milhões, 5,6%); e Países Baixos (US$ 173 milhões, 4,7%).
O produto mais vendido, em valor, no período, foi açúcar em bruto (com vendas de US$ 502,5 milhões, representando 13,6% do total exportado pelas cooperativas), seguido por soja em grãos (US$ 465,3 milhões, 12,6%); açúcar refinado (US$ 413,3 milhões, 11,2%); café em grãos (US$ 412 milhões, 11,2%); e carne de frango (US$ 399,4 milhões, 10,8%).
O Paraná (US$ 1,183 bilhão, representando 32,1% do total das exportações) retomou o posto de principal exportador do segmento das cooperativas, ultrapassando São Paulo (US$ 1,176 bilhão, 31,9%) que havia ficado na primeira posição no acumulado do ano até julho. Em seguida aparecem: Minas Gerais (US$ 439,1 milhões, 11,9%); Santa Catarina (US$ 232,5 milhões, 6,3%); e Rio Grande do Sul (US$ 232,2 milhões, 6,3%).
Em relação às importações, as cooperativas realizaram compras de 43 países nos oito primeiros meses de 2012. As principais origens foram: Paraguai (compras de US$ 23,7 milhões, representando 15,1% do total); Estados Unidos (US$ 15,2 milhões, 9,7%); China (US$ 14,7 milhões, 9,4%); Israel (US$ 10,8 milhões, 6,9%); e Japão (US$ 8,5 milhões, 5,4%).
Os produtos mais adquiridos pelo setor cooperativista brasileiro, no período, foram ureia (com compras de US$ 22,9 milhões, representando 14,6% do total importado pelas cooperativas); cloretos de potássio (US$ 18,1 milhões, 11,5%); soja em grãos (US$ 14,1 milhões, 9%); máquinas e aparelhos para preparação de carnes (US$ 11,3 milhões, 7,2%); e diidrogeno-ortofosfato de amônio (US$ 9,5 milhões, 6,0%).
O Paraná foi o estado com maior valor de importações por cooperativas, com US$ 69,7 milhões, representando 44,5% do total das importações deste segmento. Em seguida aparecem: Santa Catarina (US$ 49,2 milhões, 31,4%); Rio Grande do Sul (US$ 13,7 milhões, 8,7%); Goiás (US$ 12,3 milhões, 7,8%); e São Paulo (US$ 5,3 milhões, 3,4%).

Fonte: MDIC