With Borders

No Borders

23/10/2012

BB CRESCE 162% EM PARTICIPAÇÃO NO MERCADO DE CAPITAIS INTERNACIONAL

A evolução posiciona o Banco do Brasil em um primeiro lugar inédito no ranking Anbima no acumulado dos últimos 12 meses O Banco do Brasil apresentou crescimento de 162,9% no mercado internacional de renda fixa na comparação entre o volume captado entre janeiro e setembro de 2012 com o mesmo período de 2011. A evolução foi notadamente maior que a do mercado, que cresceu 23,3% no mesmo período. O montante total de recursos captados por empresas brasileiras no mercado de capitais internacional foi de US$ 36,7 bi, entre janeiro e setembro de 2012, contra US$ 29,8 bi no mesmo período de 2011. Só nas operações em que o BB participou, o montante captado foi de US$ 17,2 bi, enquanto entre janeiro e setembro do ano passado foi de US$ 6,5 bi. Segundo o vice presidente de Atacado, Negócios Internacionais e Private Bank do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, 2012 é o ano do BB na emissão externa de renda fixa. “Já somos líderes em varejo, atacado, comércio exterior, agronegócios e setor público. Agora, buscamos um posicionamento mais agressivo na área de mercado de capitais, também buscando a liderança”, analisa. De acordo com Caffarelli, a evolução expressiva se deu a partir de planejamento com sinergia entre as áreas de mercado de capitais com as áreas de negócios internacionais, atacado e private bank no BB. “Além disso, o investimento realizado na BB Securities na Ásia – que possibilita estar 24h no mercado externo – também foi fundamental para atingirmos essa posição inédita no ranking”, avalia. Em 2012, o crescimento apresentado pelo Banco do Brasil foi o maior entre os bancos que ocupam as cinco primeiras posições no ranking. Em 2011, o BB ocupava a sétima posição no ranking total da Anbima e, agora, subiu cinco posições. A evolução coloca o BB em primeiro lugar no acumulado dos últimos 12 meses e em segundo lugar geral e primeiro entre os brasileiros no ranking que observa o período de janeiro a setembro 2012.

Fonte: Banco do Brasil