With Borders

No Borders

10/09/2013

BRASIL E INDONÉSIA VÃO REFORÇAR AGENDA BILATERAL

Brasil e Indonésia vão estudar o fortalecimento da relação bilateral e oportunidades de parceria entre os dois países, inclusive na atuação em terceiros mercados. O entendimento foi firmado nesta terça-feira (10), em Brasília, em reunião entre o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ricardo Schaefer, e o Vice-Ministro de Comércio da Indonésia, Bayu Khrisnamurth.


A agenda bilateral será discutida no âmbito do Grupo de Trabalho Conjunto Brasil-Indonésia, tendo como ponto de partida estudo de inteligência comercial em fase final de elaboração por parte da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e setores considerados prioritários pelo ministro indonésio. Entre eles, estão aviação, biocombustíveis, soja e café.


Segundo Schaefer, Brasil e Indonésia são países similares e podem usar a complementaridade de suas economias para atuar em terceiros mercados. “Ambos temos certo nível de desenvolvimento tecnológico, mercados internos robustos e grande potencial em recursos naturais, elementos que permitem a construção de uma agenda de cooperação estratégica. Vamos elencar todas as oportunidades de parcerias e envolver o setor privado nas discussões”, afirmou.


A ideia é que essa agenda esteja formatada até maio do ano que vem, quando autoridades dos dois países devem se reunir na Indonésia. Schaefer lembrou que a relação bilateral e o comércio entre os dois países evoluíram muito nos últimos quatro anos, mas ponderou que é possível avançar para além da troca de bens. “Temos de reforçar o diálogo mantido nos últimos anos, pensando de forma muito concreta onde pode haver cooperação”, salientou.


O ministro indonésio citou a possibilidade de estreitar relações na área de aviação, ao lembrar que o país comprou 16 aeronaves da Embraer para uso na área de Defesa, mas observou que é possível diversificar esse mercado diante do forte crescimento da aviação civil local. Segundo ele, o país tem condições de atuar inclusive como um dos fornecedores da empresa brasileira.


Khrisnamurth também destacou o fato de a Indonésia ser grande produtor e exportador de óleo de dendê, assim como o Brasil é grande produtor de etanol, para vislumbrar parcerias entre os dois países no segmento. Sobre café, o ministro ressaltou que a Ásia é um dos maiores mercados do mundo e disse haver potencial para que Indonésia e Brasil cresçam na região como marca, o que, segundo ele, só seria possível com uma cooperação entre os dois países. O Brasil é o maior produtor de café do mundo e a Indonésia, o quarto.

Fonte: MDIC