With Borders

No Borders

17/01/2014

CAMEX APROVA ANTIDUMPINGS PARA RESINAS DE POLIPROPILENO E OBJETOS DE LOUÇA

Foram publicadas hoje, no Diário Oficial da União (DOU), duas novas decisões da Câmara de Comércio Exterior que aprovam medidas de defesa comercial. A Resolução Camex n°2/2014determina a aplicação de direito antidumping provisório, por um período de até seis meses, para as importações brasileiras de resinas de polipropileno da África do Sul, Coreia do Sul e Índia. O direito será recolhido sob a forma de alíquota específica, como mostra o quadro abaixo:

























Origem  Produtor/Exportador

Direito Antidumping Provisório


(US$/t)

 África do Sul

Sasol Polymers


Demais Exportadores



111,78


161,96



Coreia do Sul


LG Chem


Lotte Chemical


GS Caltex


Hyosung Corporation


Samsung Total Petrochemicals


Demais Exportadores



26,11


30,30


29,12


29,12


29,12


101,39



 Índia


Reliance Industrie


Demais Exportadores



100,22


109,89



A resina de polipropileno é utilizada na fabricação de filmes, fibras para telhas, tecelagens e cordoaria, ráfia para sacarias, utilidades domésticas, tampas descartáveis, não-tecidos, embalagens diversas, eletrodomésticos, peças automotivas, entre outros produtos.


Já a Resolução Camex no 3 aprova a aplicação de direito antidumping definitivo sobre as importações brasileiras de objetos de louça para mesa originárias da China. A medida, que tem vigência de cinco anos, será recolhida sob a forma de alíquota específica fixa, de acordo com os seguintes valores:


 















Origem   Produtor/Exportador

Direito Antidumping Definitivo


(US$/kg)

 


China


 


 



Guangxi Xin Fu Yuan Co., Ltd


Guangdong Raoping Yuxin Ceramic Factory


Champion Enterprises International Limited; Qingdao Power Source Co.,Ltd.; e Dasen Industrial Co.,Limited.


Empresas chinesas identificadas no Anexo III e não constantes desta tabela


Demais



1,84


2,76


5,14


5,14


5,14



De acordo com a Resolução Camex no 3, foi homologado compromisso de preços com a Associação Industrial de Cerâmica da China (CCIA), em nome de 126 associados. As empresas chinesas se comprometem a manter o valor mínimo de exportação de US$ 3,20 por kg numa cota máxima de 25 mil toneladas para 2014. O volume será aumentado em 5% ao início de cada ano subsequente.

Fonte: MDIC