With Borders

No Borders

10/03/2012

POLÍCIA FEDERAL INTENSIFICA COMBATE A CRIMES FISCAIS

Delegado que trabalhou em grandes operações chega a Ribeirão para combater sonegação ligada a grande empresas
Polícia Federal de Ribeirão Preto ampliou o quadro de delegados e conta agora com um especialista em fraudes e sonegação fiscal. O delegado federal, Paulo Víbrio Júnior chegou a Ribeirão em janeiro para combater quem lesa o Fisco da União.
Na 9ª Vara Federal, correm 61 processos contra pessoas que têm dívidas com a União, a maioria delas tributárias, superiores a R$ 5 milhões. A ação com o maior valor em andamento é de R$ 285 milhões.
"A cada dia nos deparamos com inovações criminosas que dificultam a descoberta e repressão desses crimes. A intensificação do comércio internacional, e os crimes dele decorrentes, demanda uma crescente especialização dos profissionais da PF para compreender e reprimir este crime", afirma o delegado.
Ele salienta que tramitam na Polícia Federal centenas de inquéritos envolvendo a criação de empresas fantasmas, interposição de pessoas, contrabando, descaminho, fraudes no comércio exterior, importação e exportação.
"Os traficantes usam empresas fantasmas para lavar o dinheiro do crime organizado e existem as pessoas que utilizam do mesmo método interessadas em ocultar da Receita Federal o verdadeiro dono da empresa."


Operações


Especialista em desvendar fraudes fiscais, Víbrio Júnior já trabalhou em grandes operações da Polícia Federal, entre elas, a "Operação Dilúvio", ocorrida em 2006, que teve como resultado 156 mandados de prisão e 220 mandados de busca cumpridos por 950 policiais federais e 450 auditores da Receita Federal, espalhados por oito Estados do Brasil.
A operação desbaratou um grande esquema de fraudes em importações que usava empresas de fachadas para fraudar o Fisco. Na época, uma das maiores fabricantes de cervejas do país foi acusada de sonegar R$ 600 milhões.
O delegado coordenou também a "Operação Persona", que investigou um esquema de fraudes em importação, cujo desfecho foi o maior auto de infração fiscal até hoje aplicado pela Receita Federal a sonegadores, no valor de R$ 3 bilhões. No total 40 pessoas foram presas em três Estados do país.
"O Estado e a União lavraram dezenas de autuações e estão conseguindo recuperar o dinheiro com a aplicação de multas".

Fonte: Jornal a Cidade.