With Borders

No Borders

16/03/2012

CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DA SAÚDE

Segundo a ABIMO, o segmento de equipamentos médico e hospitalares apresenta a maior taxa de crescimento e o de odontologia mantém-se como superavitário
Estudo compilado pela Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (ABIMO) com base em dados da Secretaria do Comércio Exterior (SECEX) revela que as exportações do setor cresceram 13% em 2011. Apesar do déficit da balança comercial, o ponto positivo é que neste ano as exportações cresceram mais que as importações – 13% contra 11%, respectivamente. Um dos fatores que impulsionou essa evolução encontra-se na parceria que a ABIMO tem com a Apex-Brasil, há dez anos, para apoio às exportações.
O segmento de equipamentos médico-hospitalares foi o que apresentou maior crescimento nas exportações, se comparados com os números dos últimos anos. O aumento foi de 51% enquanto que o índice geral do setor da indústria brasileira da saúde evoluiu 13%. Entre os produtos mais comercializados no mercado internacional estão: instrumentos e aparelhos para: medicina, cirurgia, osmose inversa, de eletrodiagnóstico e incubadora para bebês . Em 2011, esse setor composto por mais de 60 itens, exportou US$ 71.578.307,00.
Segundo a associação, outro resultado significativo foi conquistado pelo setor de odontologia, que há dez anos consecutivos apresenta superávit na balança comercial.
Apesar dos dados serem favoráveis e revelarem a evolução dos negócios das indústrias brasileiras no mercado internacional, o setor ainda apresenta déficit na balança comercial que chega a mais de US$ 3bilhões. Em 2010, as exportações da indústria somaram US$ 707 milhões enquanto que as importações foram de US$ 4.066 milhões.
“Interessante notar que, em dois anos (2009 a 2011) as exportações do setor cresceram 30% e as exportações das empresas do projeto Brazilian Health Devices cresceram 53%. Hoje, as exportações das empresas participantes do projeto representam ¼ das exportações gerais do setor.”, afirma Paula Portugal, gerente Internacional do Projeto Brazilian Health Devices. Segundo Paula Portugal, o investimento contínuo por parte das empresas, foi essencial para recuperação da queda das exportações em 2009, devido à crise mundial e grande expansão nas exportações em 2010 e 2011.
Origem das exportações - Os Estados Unidos mantém a liderança no ranking dos maiores compradores de equipamentos e materiais de consumo utilizados nos segmentos de odontologia, médico-hospitalar e laboratorial brasileiros. Quase ¼ das exportações brasileiras de 2011 foram direcionadas ao país e 1/3 das importações foram de produtos originários dos Estados Unidos. Em 2011, os países que mais compraram equipamentos médico-hospitalares da indústria nacional foram: Países Baixos, Estados Unidos, Argentina, Venezuela e México. Já no segmento odontológico, os produtos brasileiros foram vendidos para países como: Alemanha, Estados Unidos, Venezuela, Argentina e Chile,
Ranking - Dentre os Estados que mais exportam estão: São Paulo, 62%, Minas Gerais, 11,7% Rio de Janeiro, 8,3% Santa Catarina, 5,8% Paraná, 5,2% e Rio Grande do Sul, 2,0%, Amazonas, 0,6%, Goiás e Ceará, 0,1%.
Dados ABIMO – O segmento de equipamentos médicos, hospitalares e odontológicos representa 35% do complexo industrial da saúde, gerador de mais de cem mil empregos.

Fonte: Portal segs.