With Borders

No Borders

26/03/2012

EXPORTAÇÕES DE INDUSTRIALIZADOS JÁ COMERCIALIZOU US$ 381,8 MILHÕES NOS PRIMEIROS MESES DE 2012

As exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul mantiveram em fevereiro o mesmo ritmo acelerado de expansão registrado em todo o ano passado e neste início de 2012 já registram alta de 21,8% com relação ao mesmo período de 2011, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems com base nos dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Enquanto de janeiro a fevereiro do ano passado a receita das vendas externas do setor no Estado atingiu o patamar de US$ 313,4 milhões, no mesmo período deste ano o valor chegou a US$ 381,8 milhões.
Segundo o presidente da Fiems, Sérgio Longen, é extremamente animador o registro de sucessivos crescimentos nas receitas obtidas com as vendas dos produtos industrializados do Estado ao exterior. “Os dados comprovam que a indústria sul-mato-grossense prossegue no mesmo compasso dos últimos dois anos, quando as exportações de industrializados fecharam com receita acima de US$ 2 bilhões. Neste ano, devemos nos manter nos mesmos patamares de 2010 e 2011, ou seja, fechar 2012 também muito próximo dos US$ 3 bilhões”, estimou.
Ainda de acordo com o Radar da Fiems, receita das vendas externas de industrializados no mês fevereiro alcançou US$ 200,8 milhões, crescimento nominal de 23,2% sobre igual mês de 2011, quando o valor foi de US$ 163 milhões. Esse montante de US$ 200,8 milhões faz de fevereiro de 2011 o melhor resultado já alcançado para o mês em toda a série histórica das exportações de industrializados de Mato Grosso do Sul, ressaltando que de janeiro de 2009 até agora foram registradas 29 quebras de recorde nas receitas de exportação.
Quanto à participação relativa, no mês de fevereiro, as vendas externas de industrializados atingiram a marca de 79,6% de tudo o que foi exportado por Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano, na mesma comparação, a participação é de 81%. No mês de fevereiro, a exportação de industrializados alcançou o equivalente a 416,3 mil de toneladas, indicando um crescimento de 17,6% sobre igual mês do ano anterior, quando as vendas externas somaram 354,2 mil toneladas. Já no acumulado do ano, o volume total alcança 657,4 mil de toneladas, indicando uma relativa estabilidade (+0,54%) em relação à igual período de 2011, quando foi vendido ao exterior o equivalente a 653,9 mil de toneladas de produtos industrializados.

Principais grupos


No ano, os principais grupos de industrializados que apresentaram crescimento nas exportações foram os do Complexo Carne, Açúcar e Álcool e Papel e Celulose. Até o momento, em 2012, os produtos de maior destaque no “Complexo Carne” são as carnes desossadas e congeladas de bovinos, carnes desossadas frescas ou refrigeradas de bovinos, bexigas e estômagos de animais, exceto peixes e tripas de bovinos que proporcionaram um acréscimo, em receita, no comparativo com igual período de 2011, equivalente a US$ 9,3, US$ 3,8, US$ 1,91 e US$ 1,3 milhões, respectivamente.
Adicionalmente, em relação ao ano passado, dois aspectos se destacam: as carnes de bovinos começam a se recuperar do fraco desempenho apresentado em 2011, enquanto os pedaços e miudezas congelados de galos e galinhas e as carnes congeladas de galos e galinhas não cortados em pedaços iniciaram 2012 com pouca força. No primeiro caso, as compras efetuadas pela Rússia voltaram a crescer saindo de US$ 52,9 milhões em todo o ano de 2011 para US$ 39,2 milhões apenas nos dois primeiros meses de 2012, já no segundo caso as compras efetuadas por Japão e Holanda apresentaram redução líquida da ordem de US$ 10,3 milhões.
No grupo Açúcar e Álcool, até o mês de fevereiro, a receita de exportação alcançou o equivalente a US$ 111,8 milhões, indicando, sobre igual intervalo de 2011, um crescimento nominal de 89,6% na receita, resultando em um valor adicional de US$ 52,8 milhões. Já em volume, na mesma comparação, a variação foi de 43,3%, aumento superior a 61,6 mil toneladas. Em relação aos compradores, até o momento, os principais são a Nigéria com US$ 23,1 milhões ou 20,6%, Bangladesh com US$ 22,5 milhões ou 20,2%, Marrocos com US$ 11,1 milhões ou 9,9% e Índia com US$ 10,5 milhões ou 9,4%.
Quanto às exportações de Papel e Celulose o destaque, naturalmente, fica por conta da pasta química de madeira semibranqueada (celulose), que até agora, em 2012, registrou uma receita de exportação equivalente a US$ 77,5 milhões ou 97,4% da receita total do grupo. Quando comparado com igual período de 2011, houve um crescimento nominal de 25,4% na receita obtida com o produto. Resultado, em valores, de um acréscimo equivalente a US$ 15,7 milhões. Por fim, os principais comparadores, até o momento, são: China com 32,2% ou US$ 25,6 milhões, Holanda com 20,3% ou US$ 16,1 milhões, Itália com 12,8% ou US$ 10,2 milhões e Espanha com 12,0% ou US$ 9,6 milhões.

Fonte: Capital News.