With Borders

No Borders

03/04/2012

GOVERNO QUER ATRAIR DATA CENTER

Durante encontro, o titular da Seplag e o secretário do MDIC discutiram temas de interesse para o Estado
O Ceará quer o apoio do governo federal para a instalação de um data center no Estado. A proposta foi feita ontem pelo titular da Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado (Seplag), Eduardo Diogo, ao secretário Nacional de Comércio e Serviço do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, Humberto Luiz Ribeiro, durante visita ao órgão para apresentar, em primeira mão, o Plano Brasil Maior: Inovar para Competir. Competir para Crescer.
O Programa será lançado nacionalmente hoje, pela presidenta Dilma Rousseff, com a instalação dos 19 Conselhos de Competitividade definidos no Plano Brasil Maior.
Para Diogo, com o apoio do governo federal, será possível expandir a troca de dados entre Fortaleza e o resto do Estado. "As fibras já chegam na Praia do Futuro. A ideia é que possamos fazer troca de dados aqui no Ceará. Se a gente conseguir que a Telebrás nos apoie nisso, será mais uma conquista do governador e da sociedade cearense", reforçou. Além de solicitar apoio para investimentos em inovação, o secretário de Planejamento pediu também o compromisso federal para a formação de mão de obra voltada às demandas do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp).
O secretário do MDIC se mostrou sensibilizado com os pleitos da Seplag, mas não entrou em detalhes sobre a atuação do Plano nos estados, "para não esvaziar o pronunciamento oficial a ser feito por Dilma Rousseff". Ele sinalizou, porém, que demandas como o data center, a capacitação no Porto do Pecém, investimentos no turismo, entre outras vocações do Estado do Ceará, fazem parte da pauta nacional do Plano. "A orientação do ministro Pimentel é que a gente tenha cada vez mais fortalecido esse pacto federativo, fazendo a sinergia entre estados, municípios e o governo Federal".

Aplicação


No contexto da aplicação do Plano Brasil Maior nos estados, ele lembrou que o Ceará é o primeiro a ser visitado no País. Nesse primeiro momento, o secretário afirma que o objetivo é conhecer as vocações, potencialidades e demandas dos estados para posteriormente definir quais as áreas a serem apoiadas pelo governo federal.
Humberto Ribeiro adiantou que a competitividade dos pequenos negócios é uma das prioridades do Plano, que também tem prioridades setoriais como call centers e tecnologia da informação. "Os call centers são grandes geradores de emprego. Principalmente de primeiro emprego, e têm um forte papel educacional, podendo representar para os jovens uma excelente oportunidade de alavancar a carreira", defende o secretário.


ZPE com serviços


Outra pauta presente no Plano do governo federal é a transformação do modelo brasileiro de Zona de Processamento de Exportação (ZPE). "Estamos com uma discussão em andamento que é a transferência do modelo de ZPE tipicamente industrial para também incorporar o setor de serviços". Segundo ele, nos EUA, 39% das ZPEs já englobam serviços. Outro exemplo é Montevidéu, que já possui quatro ZPEs 100% voltada aos serviços. "O modelo da ZPE de serviço é mais um instrumento para a competitividade econômica", afirma.


Burocracia


Durante no encontro, o secretário do Mdic convidou o secretário Eduardo Diogo a participar da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), que objetiva facilitar a abertura e o fechamento de empresas no País.

Fonte: Negócios - Diário do Nordeste.