With Borders

No Borders

15/06/2012

EXPORTAÇÃO DE INDUSTRIALIZADOS CRESCE MAIS DO QUE A DE BÁSICOS

As exportações de produtos industrializados cresceram mais – em termos percentuais – do que a de produtos básicos, nos cinco primeiros meses de 2012, em relação a igual período de 2011. O aumento foi de 1,7%, na média diária, contra 0,8% dos produtos básicos. “Ao longo de todo o ano passado, vimos o crescimento das exportações puxado pelos produtos básicos. Agora, o desempenho é resultado da expansão dos manufaturados”, explicou a secretária de Comércio de Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Tatiana Lacerda Prazeres, ao apresentar os dados da balança comercial.
No período janeiro-maio 2012/2011, as vendas de aviões aumentaram 26,3%, em valor. Já as de minério de ferro caíram 20,2%, em valor, na comparação entre os dois períodos. Somente em maio, em relação a igual mês de 2011, os destaques do aumento das exportações de produtos industrializados se deram nas vendas de automóveis (22%), laminados de aço (17%), motores geradores elétricos (44%) e veículos de carga (13%), segundo os dados divulgados no começo de junho. No acumulado do ano, até maio, as exportações somam US$ 97,7 bilhões, contra importações de US$ 91,6 bilhões, gerando um saldo de US$ 6,3 bilhões.
Em relação às exportações por blocos econômicos, o destaque ficou para as vendas aos Estados Unidos, que cresceram 25% (na média diária) no período janeiro-maio 2012/2011. “Os EUA continuam sendo o grande destaque da nossa pauta de exportações”, frisou a secretária Tatiana. “Nas vendas para lá, o destaque continua sendo o petróleo. No entanto, seguem aumentando também as exportações de produtos manufaturados, como bombas e motores, máquinas e equipamentos de terraplanagem e aviões”, acrescentou.
As exportações para a Argentina seguiram este padrão, no período de janeiro a maio de 2012/2011, com crescimento nas vendas de automóveis (21,4%), tratores (15%) e laminados de aço (17,7%). “É difícil avaliar se isto é uma tendência, pois há variações significativas de vendas de produtos, mês a mês”, disse a secretária de Comércio Exterior. As vendas para a China também cresceram (7,2%, na média diária), “a despeito da queda das exportações de minério de ferro para aquele país”, comentou Tatiana Lacerda. Segundo ela, as vendas de soja compensaram a queda nos itens minério de ferro e petróleo.

Fonte: revista comex bb.