With Borders

No Borders

26/06/2012

ARGENTINA SUSPENDE ACORDO ECONÔMICO COM MÉXICO

O setor automotivo deverá ser o principal atingido pela decisão da Argentina, formalizada hoje no Diário Oficial do país, de suspender por três anos o acordo de complementação econômica com o México. Este acordo era um dos componentes do tratado global entre o México e os países do Mercosul ( Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), em 2000, que tinha um caráter “guarda-chuva”, ou seja: previa que cada país fizesse um acordo bilateral flexibilizando suas tarifas com o México. Este ano, o Brasil renegociou o seu acerto com aquele país, aumentando as taxações para o setor automotivo. Há dois meses a Argentina pediu a abertura de conversações para renegociar a questão.
 “O comércio bilateral entre os dois países mudou o seu sentido nos últimos anos. Quando ele foi estabelecido, a Argentina era eminentemente vendedora. Agora é compradora, graças à perda de competitividade que o país teve , em função da revalorização do peso”, afirmou o economista Dante Sica, da consultoria Abeceb, especializada em comércio exterior.
Sica lembrou que em 2002 a Argentina chegou a exportar 60 mil automóveis para o México.No ano passado, exportou apenas 5 mil. “Este acordo foi a salvação da indústria automobilística argentina logo após a crise do default”, constatou.
No ano passado, o México exportou à Argentina US$ 819,2 milhões em automóveis e autopeças, além de US$ 352 milhões em componentes elétricos e eletrônicos, US$ 140,4 milhões em produtos químicos e US$ 123,9 milhões em máquinas e equipamentos, todos os segmentos com tarifa externa zerada. Já a Argentina vendeu para o México US$ 341,8 milhões dentro do setor automotivo; US$ 117 milhões em alimentos e tabaco e US$ 114,9 milhões em minerais.

Fonte: Valor Econômico.