With Borders

No Borders

11/07/2012

CNI REDUZ PROJEÇÃO DE EXPANSÃO DO PIB DE 3% PARA 2,1% EM 2012

BRASÍLIA, 11 Jul (Reuters) - Diante dos sinais claros de que a economia brasileira não está conseguindo se recuperar, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) reduziu nesta quarta-feira (11) a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país de 3 para 2,1% neste ano.
A CNI também rebaixou a perspectiva de expansão do PIB industrial de 2% para 1,6% e, agora, acredita que a Selic (taxa básica de juros) fechará 2012 a 7,50%, contra 9% previstos antes.
Hoje, a taxa básica de juros do país está na mínima histórica de 8,50% ao ano e a expectativa do mercado é de que o Comitê de Política Monetária (Copom) a reduzirá para 8% nesta noite, como parte de uma ação para estimular a economia.
A CNI também fez uma forte redução na previsão de expansão da Formação Bruta de Capital Fixo, uma medida de investimentos, de 5,6% para 2,5% neste ano. Para consumo das famílias, a perspectiva agora é de alta de 3,5%, contra 4% na projeção anterior.


Efeitos de crise externa


A CNI atualizou suas estimativas para deixá-las em linha com um cenário de agravamento do cenário mundial e com a lentidão da recuperação da economia brasileira.
A entidade tem sustentado que a crise internacional é de longa duração por conta das dificuldades profundas na Europa e da recuperação econômica dos Estados Unidos ainda fraca.
Com isso, a CNI passou a projetar que o dólar chegará no final de 2012 a R$ 2, contra R$ 1,80 na versão anterior. As contas para superávit comercial tiveram leve redução, de R$ 20,8 bilhões para R$ 20,2 bilhões, neste ano.
Essa estimativa deve-se a uma piora nos dados esperados para o comércio exterior neste ano. As exportações foram rebaixadas de R$ 275,4 bilhões para R$ 263,2 bilhões, enquanto que as importações, R$ 254,6 bilhões para R$ 243 bilhões.
O Banco Central estima que a economia brasileira vai crescer 2,5% este ano, apesar de o ministro da Fazenda, Guido Mantega ainda sustentar que a expansão do PIB será superior aos 2,7% vistos no ano passado.
No primeiro trimestre deste ano, o PIB cresceu apenas 0,2% na comparação com os últimos três meses de 2011. A indústria é o setor que mais vem encontrando dificuldade em se recuperar sendo que, em maio, a produção do setor caiu 0,9%.
Na semana passada, a CNI informou que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) na indústria brasileira caiu em maio para o pior nível desde setembro de 2009. 

Fonte: Reuters.