With Borders

No Borders

13/07/2012

CHINA REGISTA O MENOR CRESCIMENTO EM TRÊS ANOS

Economia chinesa cresce 7,6% no segundo trimestre. Foi o sexto período em que verificou uma desaceleração


O Produto Interno Bruto (PIB) da China registou, no segundo trimestre do ano, um crescimento de 7,6 por cento face a igual período do ano passado, o nível mais baixo em mais de três anos, revelam dados oficiais divulgados esta sexta-feira.
Quer isto dizer que o segundo trimestre do ano foi o sexto período consecutivo em que o PIB chinês verificou uma desaceleração.
Em 2011, o PIB chinês cresceu 9,2% (menos 1,2 pontos que no ano anterior) e no primeiro trimestre de 2012 abrandou para 8,1%.
No 1º semestre, o PIB chinês registou um crescimento de 7,8 por cento para 22,7 mil milhões de yuan (2,91 mil milhões de euros), situação próxima das previsões do Executivo de Pequim para todo o ano de 2012, de 7,5%.
O investimento em ativos fixos na China ascendeu no primeiro semestre a 15,07 mil milhões de yuan (1,93 mil milhões de euros), mais 20,4 por cento face ao período homólogo do ano passado, crescimento que, no entanto, representa uma desaceleração de 5,2 pontos percentuais do que há um ano, escreve a Efe.
Destaca-se a desaceleração do investimento no setor imobiliário na China, que entre janeiro e junho ascendeu a 3,06 mil milhões de yuan (393 milhões de euros), o que representa um acréscimo de 16,6 por cento que é quase metade face ao registado há um ano, de 32,9 por cento.
As vendas a retalho, principal indicador do consumo, alcançaram nos primeiros seis meses do ano 9,82 mil milhões de yuan (1,26 mil milhões de euros), mais 14,4 por cento em relação a igual período de 2011, o que também supõe uma desaceleração, de 2,4 pontos percentuais, acrescenta a Lusa.
O Gabinete Nacional de Estatísticas da China indicou ainda que a produção industrial da segunda economia mundial expandiu-se 10,5 por cento até junho, menos 3,8 pontos percentuais face ao mesmo período de 2011 quando comparando com o primeiro semestre de 2010.
A China é a segunda maior economia do mundo, com um crescimento médio anual de 9,9 por cento ao longo das três últimas décadas, mas tem abrandado desde 2010.

Fonte: Agência Financeira.