With Borders

No Borders

17/07/2012

CHINA E BRASIL QUEREM ESTREITAR RELAÇÕES

Em um momento de crise mundial deflagrada, principalmente, na Europa, Brasil e China buscam estreitar relações comerciais. Na semana passada, Fernando Pimentel, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, afirmou ao vice-primeiro-ministro chinês, Wang Qishan, que os dois países devem continuar sustentando os negócios que têm entre ambos e que apresentam, como seus principais pilares, a oferta de alimentos e minérios e o intercâmbio de tecnologia.
Para Pimentel, Brasil e China devem nutrir uma cooperação mútua em áreas que possuem o domínio tecnológico. Para ilustrar isso, o ministro citou o exemplo da associação entre os dois países em aviação – a Embraer acertou, em junho, a criação de uma joint-venture com a Avic Harbin para fabricar jatos executivos no país asiático – e disse ver também boas perspectivas nas áreas de informática e telefonia e no setor automobilístico.
De acordo com o político, os dois países têm que criar condições para estabelecimento de companhias chinesas, no Brasil, e de brasileiras, na China. “Temos interesse em levar empresas chinesas para o Brasil e aprender com elas. Em contrapartida, queremos a China também receba as empresas brasileiras que têm excelência tecnológica e podem contribuir para o crescimento de sua economia”, afirmou.
Qishian ressaltou os negócios com os brasileiros que, segundo ele, estão presentes em todas as áreas. “Consideramos o Brasil fornecedor de longo prazo e seremos compradores de longo prazo do país nas áreas de minério de ferro e agricultura”, afirmou. No ano passado, o comércio entre as duas nações movimentou quase US$ 80 bilhões.
O vice-primeiro-ministro também salientou que os negócios gerados entre China e Brasil possuem vantagens estratégicas e citou o acordo entre Embraer e Avic Harbin . “A China está cada vez mais ligada ao Brasil. Temos mantido frequentes contatos de alto nível, o que nos permite explorar cada vez mais negócios. Este relacionamento também se estende aos organismos multilaterais”, ressaltou, ao elogiar a atuação dos dois países nos BRICS e no G-20.

Fonte: WebTranspo.