With Borders

No Borders

17/07/2012

AEB ELEVA PROJEÇÃO DE SUPERÁVIT COMERCIAL PARA US$ 8 BILHÕES

A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) reviu suas projeções para o ano e agora estima que 2012 fechará com um superávit comercial de US$ 8 bilhões. O resultado é melhor que a estimativa feita em dezembro, que apontava saldo de US$ 3 bilhões neste ano. Mas, se o saldo é mais positivo, os novos números da AEB refletem a redução da atividade econômica no país, com importações em patamares menores que previstos antes.
As novas projeções da associação estimam que as exportações brasileiras somem US$ 237 bilhões, valor um pouco superior à previsão de dezembro (US$ 236,5 bilhões), porém ainda 7,4% inferior às exportações do ano passado, que somaram US$ 256,039 bilhões.
“A dependência brasileira das commodities (produtos básicos com cotação mundial, como soja, minério de ferro e petróleo) continuará presente em 2012, pois 9 dos 10 e 18 dos 20 principais produtos exportados pelo Brasil são commodities”, diz texto do documento de projeção da AEB, elaborado pela equipe do presidente da entidade, José Augusto de Castro.
As importações brasileiras, segundo a estimativa, devem ser de US$229,02 bilhões neste ano, resultado bem inferior à projeção de dezembro, quando era esperada pela associação importações de US$ 233,5 bilhões neste ano, o que confirma o baixo crescimento do Brasil. Em relação aos US$ 226,243 bilhões importados pelo país no ano passado, a estimativa deste ano aponta um crescimento de 1,2%.
“A corrente de comércio projetada para 2012 de US$466,090 bilhões deverá ser 3,36% menor que os U$482,282 bilhões obtidos em 2011″, afirma o documento.
Com isso, o saldo comercial deverá ser de US$ 8 bilhões neste ano,resultado melhor que o estimado pela AEB em dezembro, quando estimava um saldo de apenas US$ 3 bilhões. Mas, mesmo assim, a nova revisão é muito inferior ao superávit obtido no ano passado, de US$ 29,796 bilhões. Nesta comparação, o superávit deste ano deverá ser 73% inferior ao do ano passado.

Fonte: O Globo.