With Borders

No Borders

19/07/2012

CARNE BOVINA: EXPECTATIVA DE EXPORTAÇÕES É POSITIVA

Com a retomada das exportações de carne para o Irã e o aumento das vendas para a Ásia e para o Chile, a expectativa da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec) é que o setor alcance a meta de vendas de US$ 6 bilhões prevista para 2012. Após alguns países enfrentarem problemas nas importações, Fernando Sampaio, diretor executivo da entidade, afirma que a previsão dos embarques para o segundo semestre é positiva.


Carnes processadas: perspectivas de crescimento (Divulgação)


De acordo com dados divulgados na terça-feira pela Abiec, o Brasil exportou 557,3 mil toneladas de carne bovina entre janeiro e junho deste ano, crescimento de 2,5% em comparação com o ano passado. O faturamento no período registrou aumento de 1,8%, chegando a US$ 2,6 bilhões. Gabriela Tonini, coordenadora técnica da Abiec, diz que o resultado é positivo. A tendência dos últimos anos era de redução da quantidade embarcada por causa da febre aftosa, constatada em alguns rebanhos.
Para o segundo semestre, a Abiec aposta no crescimento das vendas para a Ásia, que deverá ser puxado por Hong Kong, cujos embarques no primeiro semestre de 2012 registraram alta de 32% em faturamento e 18% em volume. O destaque do semestre ficou com o Chile. “As exportações de carne bovina para o território chileno cresceram impressionantes 260% em faturamento e 241% em volume. Ainda é um mercado com grande potencial para o Brasil”, afirmou Gabriela. De acordo com a coordenadora, a epidemia de febre aftosa que atingiu o gado paraguaio favoreceu as vendas brasileiras.
As vendas para o Egito cresceram 39% em faturamento e 41% em volume no primeiro semestre de 2012. Com a mudança da classificação de risco da carne brasileira, hoje considerada livre da “doença da vaca louca”, o Egito passará a comprar também produtos industrializados, de maior valor agregado. Depois de diminuir a compra de carne brasileira, o Irã voltou a importar em grandes volumes. Em junho, houve crescimento de 242% ante maio. A expectativa de embarques para a nação é de US$ 60 milhões mensais no segundo semestre. “O resultado geral do setor brasileiro de carnes seria mais positivo se não fossem as péssimas vendas para o Irã”, diz Fernando Sampaio.
Já as vendas para a Rússia registraram queda de 3,3% em volume e 5,7% em faturamento de janeiro a junho, mas a expectativa é de um quadro mais positivo no segundo semestre, com o recente aumento do número de fábricas brasileiras habilitadas a exportar para o país. A visita de uma missão comercial de empresários russos, programada para o dia 22 de julho, pode contribuir para o aumento dos embarques. As compras da União Europeia se mantiveram praticamente estáveis. A receita dos embarques para a região caiu 1,6% e o volume registrou redução de 0,03%.

Fonte: Banco do Brasil.