With Borders

No Borders

25/07/2012

ÁFRICA ULTRAPASSA ORIENTE MÉDIO COMO DESTINO DAS EXPORTAÇÕES

No primeiro semestre de 2012, as exportações nacionais para a África cresceram 4,8% ante igual período do ano passado, atingindo US$ 5,5 bilhões. Com isso, o continente ultrapassou o Oriente Médio no ranking das regiões que importam produtos brasileiros. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior (MDIC), de janeiro a junho, a receita dos embarques para a região foi maior do que o valor vendido para Alemanha e França em conjunto, as duas maiores economias da União Europeia. Ainda segundo informações do ministério, as vendas para o Oriente Médio atingiram US$ 4,7 bilhões nos primeiros seis meses do ano, queda de 9,7% em relação ao ano passado.


Refinaria na Nigéria: lucros com petróleo impulsionam consumo


Nos últimos anos, a África, sempre marcada por conflitos militares, vem se destacando pela crescente estabilidade política. Além disso, a exploração de minérios e de petróleo está ajudando a elevar a renda média da população de alguns países, como Angola e Nigéria. Hoje, as vendas para o continente correspondem a 4,7% do total exportado pelo Brasil. Especialistas acreditam que a importância da África crescerá nos próximos dez anos e que a região passe a responder por até 10% das vendas.
Na avaliação de Christian Lohbauer, membro do Grupo de Análise de Conjuntura Internacional (Gacint), da Universidade de São Paulo (USP), o resultado das exportações para o continente foi influenciado principalmente pelo Egito, cujas compras de produtos brasileiros cresceram 8,6% sobre os seis primeiros meses do ano passado, para US$ 999,9 milhões. “Foram as importações egípcias de frango que fizeram a balança comercial pender para a África. Até a queda do regime de Hosni Mubarak, em fevereiro de 2011, a importação de frango era controlada por causa do surto da gripe aviária de 2006. Agora eles estão precisando importar alimentos”, revela.
Desde 2001 até o ano passado, o valor das vendas externas para o continente africano cresceu 514%, para US$ 12 bilhões. Em 2011, as exportações de produtos básicos corresponderam a 30,6% do total embarcado. No campo das importações, as compras do Brasil cresceram 363,4% no período, para US$ 15,4 bilhões. Nesses dez anos, o déficit comercial, que era de US$ 1,3 bilhão, pulou para US$ 3,2 bilhões, crescimento de 139,3%. Na comparação do primeiro semestre de 2011 com os seis primeiros meses de 2012, a corrente de comércio entre o Brasil e a África cresceu 98,2%, para US$ 13,5 bilhões.
De acordo com Jose Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), nos últimos anos, com a explosão do preço das commodities, todos os países exportadores de produtos básicos passaram a vender mais, inclusive os africanos. Isso elevou a renda média da África e fez o continente comprar mais. “Então não foi somente o Brasil que passou a vender mais para a região, mas o mundo todo. O governo federal tem feito diversas missões comerciais para o continente, o que sem dúvida ajudou a aumentar as vendas brasileiras para a região”, diz.

Fonte: Banco do Brasil.