With Borders

No Borders

31/07/2012

CRISE REDUZ DRASTICAMENTE O SUPERÁVIT COM UNIÃO EUROPEIA

A crise que afeta algumas das principais economias da União Europeia diminuiu drasticamente o superávit comercial do Brasil com o bloco econômico este ano. Comparando o acumulado dos seis primeiros meses de 2012 com o mesmo período do ano passado, o saldo brasileiro caiu 89,3%, atingindo US$ 444,7 milhões. Isso ocorreu por conta do aumento de 9,9% no valor das importações no período (US$ 23,5 bilhões) e da queda de 6,2% nas exportações (US$ 23,9 bilhões). Já a corrente de comercio entre o País e a União Europeia cresceu apenas 1,1%, chegando a US$ 4,7 bilhões. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior (MDIC).


Café: receita em baixa (Divulgação)


“O saldo com a União Europeia foi apenas 10% do registrado no ano passado. Isso está afetando seriamente o resultado da balança comercial brasileira”, assinala Fábio Martins Faria, vice-presidente da Associação de Comercio Exterior do Brasil (AEB). O superávit total do País caiu 45,4% (para US$ 7 bilhões) entre o primeiro semestre de 2011 e de 2012. “Todos os dados indicam que caminhamos para uma redução forte do superávit com a Europa no restante do ano. Não se descarta, inclusive, que seja registrado déficit”.
Ainda de acordo com os dados do MDIC, a participação da UE dentro das exportações brasileiras caiu de 21,5% do total para 20,4%, na comparação entre os seis primeiros meses de 2011 e o primeiro semestre de 2012. No campo das importações, a participação das vendas aumentou de 20,2% para 21,3%.
“O problema dos embarques para a União Europeia é a queda na demanda. A situação toda na Europa é preocupante, por causa do alto nível de desemprego. Mesmo os países com melhores resultados como a Alemanha e a Holanda enfrentam dificuldades, pois vendem para outros países do continente também”, diz Faria.
Segundo o MDIC, as exportações brasileiras para a Alemanha – maior economia da região – caíram 18,7% no acumulado do ano até junho, para US$ 3,6 bilhões. As importações registraram queda ainda maior: 20%, para US$ 1,8 bilhão. “A redução nas vendas para a Alemanha ocorreu por conta da queda nos embarques de produtos importantes, como café e minério de ferro”, aponta. De janeiro a junho deste ano, as vendas de café caíram 24,7%, enquanto a receita com a venda de minério de ferro diminuiu 35% (para US$ 324,9 milhões). No caso da Itália, a receita das exportações brasileiras registrou queda de 11,2%. Já a Espanha reduziu em 14,8% as compras de produtos brasileiros. Nos seis primeiros meses de 2012, a receita dos embarques para a Holanda cresceu 5,9%, para US$ 7 bilhões. Já as importações registraram queda de 6,5%, para US$ 2,9 bilhões.

Fonte: Banco do Brasil.