With Borders

No Borders

10/08/2012

SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS FAZEM GREVES E PROTESTOS EM TODO O PAÍS

Servidores de órgãos públicos federais realizam protestos e paralisações em todo o país nessa semana pedindo melhores condições de trabalho e reajuste salarial.
Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) fazem operação padrão em vários estados, realizando bloqueios em rodovias federais que causam transtornos e congestionamentos. No Paraná, caminhoneiros trancaram a BR-277 contra demora para liberação de carga. Em greve, servidores da Polícia Federal (PF) mantêm apenas 30% dos serviços básicos e também realizam operação padrão em aeroportos e portos, provocando longas filas aos passageiros nos desembarques e atrasando a emissão de passaportes.
Nesta quinta-feira (9), milhares de pessoas realizaram uma passeata na Candelária, no centro do Rio de Janeiro, para pressionar o governo. A manifestação reuniu servidores públicos federais de órgãos como Ministério da Fazenda, da Defesa, Arquivo Nacional, Agricultura, Turismo, Previdência, Dnit e PRF.
O Ministério do Planejamento informou que está analisando qual “espaço orçamentário” do governo para negociar as reivindicações das categorias e que haverá reuniões com todos os sindicatos que representam servidores públicos federais buscando um acordo.
Veja como está a situação nos Estados: Amazonas Os servidores da Universidade Federal do Amazonas estão em greve, prejudicando milhares de alunos. PF e PRF fazem operação padrão, atrapalhando o desembaraço de produtos do polo industrial e provocando atrasos no desembarque de passageiros de voos internacionais. Bahia Em Salvador, servidores de todos os órgãos protestam nesta quinta em frente ao Banco Central. Os servidores do Ingra estão em greve desde 26 de junho e apenas 30% dos serviços estão sendo mantidos. Famílias beneficiadas estão sem receber o atendimento. A paralisação atinge também as universidades federais. Estão sem aulas a Universidade Federal da Bahia, Universidade Federal do Recôncavo, Instituto Federa da Bahia (Ifba) e Instituto Federal Baiano. Já na PF, agentes, escrivães e papilocopistas estão em operação padrão e fazem protestos. A PRF também está em operação padrão, provocando congestionamentos nas rodovias do estado. Portuários da Companhia das Docas da Bahia fazem uma paralisação na manhã desta quinta-feira (9). Distrito Federal Em reivindicação de melhoria salarial e reestruturação do plano de carreira, servidores federais realizam nesta quinta (9) protestos em frente à Esplanada dos Ministérios. Manifestação seguiu da Catedral até a Praça dos Três Poderes. Os professores da Universidade de Brasília (UnB) estão em greve desde o dia 21 de maio e, em assembleia também nesta quinta-feira (9), eles decidiram, por 254 votos a 70, manter a paralisação.
Goiás A greve da Agrodefesa, que já dura quase 10 dias, está causando prejuízos para os pecuaristas e açougues do estado. Em Rio Verde, sudoeste de Goiás, leilões foram cancelados. E para emitir a guia necessária para transportar os animais, é preciso viajar para outras cidades.
Institutos e universidades também estão parados. Docentes e técnicos administrativos do Instituto Federal de Goiás (IFG) entraram em greve dia 6 e a UFG está em greve há mais de 60 dias. Além das aulas suspensas, o movimento também afeta atendimento no Hospital das Clínicas. A paralisação dos servidores da PF, iniciada na terça-feira (7), deve durar até sexta-feira (10).
Mato Grosso Ao todo, são dez instituições federais com funcionários em greve. Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Instituto Federal (IFMT); Agentes, escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal; Servidores do IBGE, Funai, Incra, Ministério da Saúde e da Agricultura, Justiça Federal, Justiça Eleitoral e Justiça do Trabalho. Minas Gerais Em Belo Horizonte, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), que estão totalmente parados, fizeram manifestação em frente à sede do Ministério da Fazenda. No sul do estado, há problemas no porto seco de Varginha, com redução do serviço da Receita Federal e greve de funcionários do Ministério da Agricultura. As universidades federais de Lavras e Alfenas estão totalmente paradas. Na Universidade Federal de Itajubá, os professores não aderiram, amas as aulas estão suspensas devido à greve dos auxiliares administrativos. Os institutos federais de Muzambinho, Inconfidentes e Machado também estão parados. Funcionários da PF estão em greve em Varginha. Paraná A PF e a Receita Federal fazem operação padrão, provocando atrasos e cancelamentos no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, e demora no setor de despacho da aduana. Serviços de emissão de passaporte também são afetados.
A PRF faz operação padrão na Ponte da Amizade, provocando congestionamentos, e os caminhoneiros trancaram a BR-277 devido à demora na liberação de carga. Já os serviços de inspeção de frigoríficos e certificação estão parados pelos servidores do Ministério da Agricultora. Segundo a Receita, serviços de análise de crédito e restituições e ressarcimento de empresas estão suspensos. Paraíba Para chamar a atenção do governo federal em relação às reivindicações, professores e servidores técnico-administrativos federais se concentraram na manhã desta quinta (9) na Praça dos Três Poderes, no Centro de João Pessoa e seguiram até o Parque Solon de Lucena. A Universidade Federal da Paraíba já está com 30% dos seus trabalhos administrativos paralisados - o ambulatório da universidade também está parado.
De acordo com a assessoria do Sindicato dos Servidores Técnico-administrativos da UFPB (Sintesp-PB), uma intensa rodada de negociação com o governo federal está marcada para a próxima semana.
Pernambuco Servidores do Ministério da Saúde e da Vigilância Sanitária estão em greve e fizeram protestos em Recife. A articulação é feita pelo Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social no estado. Desde a noite de quarta-feira (8), o aeroporto internacional de Recife registra filas no embarque internacional e atrasos em voos devido à lentidão das revistas e inspeções da Polícia Federal. Segundo a Infraero, o voo da companhia American Airlines, que faz a rota Recife-Miami, já apresenta atraso nesta manhã de quinta (9). Os agentes resolveram aderir à greve da categoria na terça-feira (7). A greve também afeta as rodovias do estado. No segundo dia de manifestação, os policiais rodoviários de Pernambuco fazem um bloqueio armado na BR-101 Sul, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife congestionando o trânsito nos dois sentidos da BR e da estrada da Batalha.
Rio de Janeiro Para pressionar o governo, servidores públicos federais de órgãos como Ministério da Fazenda, da Defesa, Arquivo Nacional, Agricultura, Turismo, Previdência, Dnit e PRF fizeram uma passeata na Candelária nesta quinta-feira (9) e prejudicaram o trânsito. Mas as vias já foram liberadas e o trânsito normalizado. Em greve, a PF não emite passaportes e faz operação-padrão no Aeroporto do Galeão. Já os funcionários da PRF fazem operações na ponte Rio-Niterói, como protesto.
Rio Grande do Sul Houve protestos dos servidores federais em Porto Alegre, reunindo integrantes de universidades, da previdência, do IBGE, da PRF, dos Ministérios da Agricultura, Saúde e da Fazenda, da Receita Federal, Banco Central, entre outros.
Também na capital gaúcha, servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) estão acampados no Salão de Atos da faculdade. Na quarta-feira (8), houve protestos da PRF em todo o estado. As movimentações grveistas na capital também atingem o aeroporto Salgado Filho. A Polícia Federal anunciou que vai ampliar a operação padrão iniciada às 12h da manhã desta quinta-feira (9) no setor de embarque e irá até às 18h. Entre as ações, os agentes intensificam a verificação de bagagens e distribuem panfletos. Rondônia Funcionários de sete órgãos públicos federais aderiram à greve. A área mais afetada é a da educação com a paralisação da Universidade Federal de Rondônia (Unir) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (Ifro). Com quase todos os serviços paralisados, o único que continua funcionando é o atendimento de casos de urgências e preferenciais. Na manhã desta quinta-feira (9), policias rodoviários federais fizeram operação padrão na capital Porto Velho em protesto. Nos dias 13 a 17 de agosto, diretores e funcionários dos órgãos vão acampar em Brasília para pressionar o governo federal.
Santa Catarina A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio) conseguiram liminares na justiça para garantir a manutenção de 30% nos portos de Itajaí e Navegantes. A greve dos servidores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), dos fiscais agropecuários e da Receita Federal fez com que contêineres ficassem acumulados nos portos, e algumas empresas do Oeste do estado já anunciaram a suspensão da produção. Outro porto que também está parcialmente paralisado é o Porto de São Francisco do Sul. O serviço de policiamento e fiscalização das instalações portuárias foram interrompidas para uma caminhada-protesto dos servidores do Ministério da Agricultura, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Receita Federal. As emissões de passaportes, os registros e as emissões de porte de armas também estão paradas. São Paulo Na região de Ribeirão Preto, as atividades da Polícia Federal estão paralisadas. Os agentes interromperam investigações, escoltas para audiências judiciais e depoimentos, mas os setores administrativos como atendimento do plantão, retirada de passaporte e setor de secretaria funcionam normalmente nesta quinta-feira (9).
No vale do Paraíba, as unidades da PF de São José dos Campos, Cruzeiro e São Sebastião estão com atendimento paralisado. Em Sorocaba, Bauru, Araçatuba e Jales, a PF está em greve e mantém 30% dos funcionários trabalhando.
Sergipe Mega blitz de protesto dos policias rodoviários federais sergipanos causa congestionamento em na saída da capital, Aracaju, sentido BR-101. Na Operação Padrão,a Polícia Rodoviária Federal (PRF) usou 15 agentes, número cinco vezes superior ao usado em blitzen rotineiras

Fonte: G1.