With Borders

No Borders

17/08/2012

PREÇO CAI 54,8% E DERRUBA RECEITA COM EXPORTAÇÃO DE CAFÉ

O volume de exportações de café em julho, o primeiro mês da safra 2012/13, registrou uma leve alta de 0,7% em comparação com igual mês de 2011, somando dois milhões de sacas embarcadas. Porém, a receita obtida com as vendas apresentou queda de 20,4%, para US$ 428,8 milhões, por conta da redução de 54,8% no preço médio da mercadoria nacional, cujo valor girou em torno de US$ 206,4 a saca.
Houve queda generalizada na venda de café do Brasil para os principais mercados consumidores, com exceção da América do Sul, cujos embarques cresceram 21%. Mesmo com a crise econômica, a principal região consumidora dos produtos nacionais continua sendo a Europa – ainda que registre uma redução de 21% nas compras. Já as exportações para a América do Norte foram as que mais caíram: 30% sobre igual período do ano passado.
O Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (CeCafé) informa ainda que, dentre os dez países que mais importam café do Brasil, somente dois compraram mais em julho do que no mesmo mês do ano passado: Suécia e Inglaterra – 4,3% e 27% a mais, respectivamente.
Por conta deste cenário, Guilherme Braga, diretor-geral do CeCafé, recomenda que os produtores invistam em processos como a colheita seletiva, para escolher grãos mais nobres e com maior valor agregado. Segundo o balanço das exportações da CeCafé, os números apontam que nos sete primeiros meses do ano os cafés Arábica diferenciados (especiais, de melhor qualidade) responderam por apenas 24% na receita total das exportações, e 19,2% no volume.
No entanto, segundo o executivo, questões climáticas podem causar impacto na produção destes grãos mais nobres. “Estamos cautelosos quanto ao volume e à qualidade do café que será produzido, em função das fortes chuvas que vêm ocorrendo em regiões produtoras (como o sul de Minas Gerais e o Paraná). Nesse caso, a variedade mais afetada seria a de café Arábica, que possui maior valor agregado”, afirmou.
Dados divulgados pelo CeCafé revelam que este tipo de café (considerando todos os níveis de qualidade) correspondem a 90,3% do total de café verde exportado (que somou 1,8 milhão de sacas de 60 kg) em julho. De janeiro a julho, as sacas do Arábica (também com variados níveis de qualidade) corresponderam a 95% do total embarcado pelo Brasil. No mesmo período, a participação do café do tipo Robusta nas exportações foi só de 4,9%. “No primeiro semestre, os cafeicultores venderam 12 milhões de sacas. Para os últimos seis meses do ano, a expectativa é vender mais 18 milhões, o que resultaria em 30 milhões de sacas em 2012”, diz.

Fonte: Banco do Brasil.