With Borders

No Borders

28/08/2012

INDUSTRIAIS CATARINENSES SUGEREM PLATAFORMAS PARA TECNOLOGIAS A LASER

Industriais catarinenses se reuniram na última segunda-feira em Florianópolis para debater as demandas atuais e futuras em relação às tecnologias a laser. "Hoje, 95% da tecnologia a laser utilizada no Brasil é importada, o que significa que temos um grande espaço de crescimento", afirma Carlos Alberto Schuch Bork, especialista em desenvolvimento industrial do SENAI nacional.
Eles se preparam, através do projeto do Instituto de SENAI de Inovação (ISI), para a implantação na Grande Florianópolis do polo de tecnologia a laser que deverá ser inaugurado em 2014. Bork explica que alguns setores, como os de equipamentos para a exploração do pré-sal, indústria hospitalar, indústria de defesa e automotiva e aeronáutica, têm elevado potencial de atendimento, embora saliente que todos os segmentos econômicos apresentem demandas relacionadas às novas tecnologias.
Potenciais usuárias dos serviços do futuro ISI, as empresas apresentaram mais de uma centena de aplicações, que agora passam a ser analisadas pela perspectiva de suas potencialidades e viabilidade e podem compor as plataformas tecnológicas do novo ISI.
Na próxima quinta e sexta-feira (dias 30 e 31), técnicos alemães do Instituto Fraunhofer, de Berlim-Alemanha, parceiro do projeto, participarão da elaboração do Plano de Negócios do ISI, usando como base as demandas identificadas segunda-feira.
Além dos institutos da Sociedade Fraunhofer, da Alemanha, a implantação dos ISI tem o apoio do Instituto de Tecnologia de Massachussetts (MIT, na sigla inglesa), dos Estados Unidos. Além dos ISI, o SENAI implantará mais 60 institutos de tecnologia - oito dos quais em Santa Catarina. Robert Banfield, da Mahle, indústria de filtros e componentes para motores automotivos, observa que existe uma grande expectativa no setor para a "redução de consumo de combustível e emissão de poluentes. O desafio do setor é obter melhor desempenho dos componentes do motor - redução de atrito e durabilidade".

Fonte: Economia SC.