With Borders

No Borders

05/09/2012

ABRAMAT QUER ALTA DO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO A MAIS ITENS

O aumento do imposto de importação, anunciado na terça-feira pelo governo federal foi bem recebido pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), que vê na medida um incentivo para a produção nacional e para a recuperação das vendas. Por outro lado, a associação reclama que ainda há uma série de produtos que não foram beneficiados e estão sofrendo com a forte concorrência de importados.
O aumento do imposto anunciado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) vale para uma lista de cem produtos, entre eles vidros, disjuntores, tubos de cobre e pisos laminados, materiais utilizados no ciclo da construção. "A medida vai dar uma brecada nas importações e um alívio para os setores beneficiados", afirmou Walter Cover, presidente da Abramat, que também prevê uma recuperação das vendas nesses segmentos.
Cover ponderou, no entanto, que espera o mesmo benefício para outros itens que também são alvos de concorrência forte com importados, como metais sanitários, vergalhões, pisos de madeira, cadeados e fechaduras. "Fiquei surpreso por não terem incluído esses itens", disse, acrescentando que irá encaminhar uma carta à Camex solicitando a ampliação da medida. Cover acredita que esses itens possam entrar numa próxima lista de beneficiados, já que o governo sinalizou a possibilidade de estender o imposto maior para até 200 produtos.
Segundo estimativas da Abramat, a importação de materiais de construção deve movimentar US$ 5 bilhões até o fim de 2012, enquanto as exportações devem alcançar apenas US$ 3,6 bilhões, gerando um novo déficit na balança comercial do setor. Cover lembrou que as importações têm crescido nos últimos anos por conta do câmbio favorável e pelo custo de produção menor em países como China, Turquia, Polônia e Índia, principais polos de exportação de materiais de construção para o Brasil.
Cover também reforçou o compromisso da indústria de materiais de construção em não aumentar os preços dos produtos beneficiados e disse que o setor ainda aguarda o anúncio de medidas para diminuir o preço da energia no País.

Fonte: Agência Estado